Objetivos e Linhas de Ação

Objetivos Gerais

– Valorizar, qualificar e divulgar todos os empreendedores de Economia Criativa, do Conhecimento e da Experiência que fazem parte do coletivo, na região do D i s t r i t o C;
– Valorizar e promover a cultura da diversidade;
– Promover a revitalização urbana da área, trazendo mais qualidade de vida aos moradores, empreendedores e visitantes;
– Promover o contato de moradores e empreendedores locais com pessoas de outros bairros da cidade, de outras cidades no Brasil e com visitantes estrangeiros;
– Apoiar ações no bairro de organizações com fins sociais;
– Atrair novos empreendimentos de qualidade com foco nas Economias Criativa, do Conhecimento e da Experiência;
– Promover o contato com outros distritos de criação no Brasil e no exterior.

Linhas de ação

1. Revitalização Urbana

– melhoria nas infraestruturas, especialmente mais obras de micro-drenagem, a ser realizadas pela Prefeitura e por ações colaborativas preventivas;

– melhoria da iluminação pública e privada;

– melhoria das condições de limpeza na região, tanto através da Prefeitura, como por meio de campanhas de coleta de lixo, inclusive seletiva, junto a moradores, instituições e empreendedores;

– maior e melhor oferta de equipamentos urbanos e sociais nas área de cultura, lazer e assistência social por parte dos governos municipais e estaduais;

– melhoria da segurança pública, em especial no entorno dos equipamentos educacionais e nos pontos considerados sensíveis;

– melhorias de mobilidade para pedestres, ciclistas e pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, com um sistema cicloviário local conectado ao transporte público e áreas de comércio e lazer;

– melhorias no sistema viário local e controle de tráfego;

– melhor sinalização para pedestres e veículos;

-proteção e valorização do meio ambiente, em especial áreas verdes, como a Praça Florida, arborização de rua, árvores frutíferas, quintais internos, jardins nas calçadas, tetos verdes, etc.;

– preservação e melhoria das fachadas, estratégias contra pichação;

– defesa do patrimônio histórico, como bem cultural inestimável e insubstituível para o bairro e para a cidade;

– preservação e utilização de espaços esportivos, de lazer e convivência social, como no caso da Praça Florida;

– melhoria das condições do comércio de rua;

– implantação de hortas comunitárias em espaços sem uso.

Victor2

O Armazém Avante, dos anos 30, aporta qualidade para a região, mas poderia ser melhor utilizado. Esse é um dos projetos específicos do Distrito C.

2. Inclusão social

Identificar grupos sociais em situação de risco, como papeleiros, dependentes de álcool e drogas ilícitas, e colaborar com as organizações civis e religiosas que já trabalham nessa área por meio de ações humanitárias, sem que isso signifique o apoio a alguma orientação política ou religiosa.

florida1_vila

A Praça Florida tem um bela história de convívio da comunidade e necessita ações sociais específicas, além da preservação da sua área verde. Veja um post especial que fizemos sobre sua história. Na foto, arquiteta Leila Mattar na Expedição Floresta 1.

3. Design de Território

Criar uma identidade própria que caracterize o D i s t r i t o C como uma área específica dentro da cidade, com características próprias. Criar cenas urbanas legíveis para quem não é da região, promover a contextualização dos locais. Esse design é tanto no nível visual (sinalização, arte pública), como no nível de cenas e eventos:

Sinalização: uso de design gráfico próprio, logos, cartazes, folders, mapas e mobiliário urbano (lixeiras, setas, totens, etc.) para marcar a área;
observação: todo o design gráfico atual é provisório.
Arte Pública: Grafites/Murais, Fotografia na rua, Escultura, Calçadas artísticas;
Cenas e Eventos: caminhadas, festas, atividades coletivas, presenciais e nas redes sociais.

Foto dos participantes da Expedição Floresta 1, realizada em 31 de agosto de 20133.Foto dos participantes da Expedição Floresta 1, realizada em 31 de agosto de 2013.
Victor Nievas, proprietário do Studio Insonia.Victor Nievas, proprietário do Studio Insonia. | Foto: Francisco da Costa

4. Atividades de Integração e Formação

– Aumentar a solidariedade, que já é uma característica da região, estimulando a troca de informações e a colaboração, por meio de reuniões, visitas, caminhadas, internet, ações coletivas, entre empreendedores e moradores, etc.;

– Reconectar a região como um coletivo na defesa do seu território e que tem um foco de interesse comum, o desenvolvimento das economias criativa, do conhecimento e da experiência na região;

– Desenvolver uma atitude de grupo que tem aproximadamente o mesmo estilo de vida, ideias, paixões e interesses;

– Recuperação e divulgação da história da região, como parte do antigo 4º Distrito de Porto Alegre, uma área que teve diferentes usos desde a fundação da cidade, especialmente em seu período de maior industrialização;

– Preservação e divulgação da memória dos moradores, através de entrevistas, fotos, filmes, etc.

– Promoção de cursos, palestras, workshops;

– promover a arte, a cultura e a economia criativa junto às escolas próximas;

– consultar os participantes do Distrito C sobre suas principais demandas e desenvolver atividades participativas na busca de soluções próprias ou sugestões aos órgãos públicos.

Final da Expedição Floresta 2, com caldinho de feijão, no Tempero Rosa.Final da Expedição Floresta 2, com caldinho de feijão, no Tempero Rosa. | Foto: Francisco da Costa.
Seu , antigo morador do bairro, que participou da Expedição Floresta 2, e sempre nos dava alguma explicação.

Seu Dilvo, antigo morador do bairro, que participou da Expedição Floresta 2, e sempre nos dava alguma explicação.

5. Turismo Criativo

O D i s t r i t o C deve promover a sua inserção no nível local, como parte da cidade de Porto Alegre, mas deve também atrair turistas do Estado, do País e mesmo turistas internacionais. No entanto, nossa proposta não é o turismo tradicional, em que há um contato apenas superficial com moradores e empreendedores criativos locais.

Queremos desenvolver ações de turismo criativo em um distrito criativo, ou seja, aproximar mais o turista da vida cotidiana dos moradores e dos produtores criativos, através de conversas, visitas a ateliers, oficinas, atividades criativas, onde se desvanece em parte a diferença entre residentes locais e turistas. Os turistas jovens, em especial, demonstram um maior interesse em descobrir novas culturas, ter experiência com conhecimento embutido, e interagir com os residentes. Essa mesma atitude se aplica aos moradores de Porto Alegre, que desconhecem a região. Queremos fazer dos turistas agentes mais participantes na construção desse novo território de criatividade na cidade, por meio do turismo solidário.

UrbsNova participa do programa de turismo criativo da Secretaria Municipal de Turismo: Porto Alegre Turismo Criativo

Ações

1. Passeio das Artes do Distrito Criativo

6. Relações Externas

6.1 Programa Boas-Vindas: nesta ação os hóspedes do Porto Alegre Hostel Boutique que tenham relação com economia criativa, do conhecimento e da experiência, serão convidados a conhecer os participantes do Distrito C para troca de informações e eventualmente constituir parcerias.

6.2 Distrito C Móvil: vamos levar a experiência do Distrito C a cidades do interior do Estado, oferecendo arte, eventos, oficinas, e principalmente ensinando a nossa experiência de criar um território de criatividade e inovação, um modelo que pode ser transferido para outros locais.

6.3 Rede de territórios criativos: uma primeira ação que está sendo desenvolvida é fazer uma conexão com o distrito de inovação de Barcelona, o 22@, pois ambas cidades possuem áreas com um passado muito parecido de industrialização, depois desindustrialização, seguida de decadência urbana, e finalmente a busca de uma revitalização, seja por meio de TICs, como no 22@, seja pela Economia Criativa, como no Distrito Criativo.
Veja em detalhes nossa proposta de uma aproximação entre Porto Alegre e Barcelona.

6.4 Eventos nacionais e internacionais: eventos conjuntos com outras cidades é uma linha de ação que já foi iniciada com o Walking Gallery Porto Alegre – Barcelona, tendo o Distrito C como área percorrida pelos artistas na parte brasileira do evento.

7. Inovação

O próprio conceito do Distrito Criativo é em si mesmo uma inovação social desenvolvida por UrbsNova e por isso queremos desenvolver a cultura da inovação entre os participantes, fomentando  a parceria entre os setores público, privado e universidade, através de workshops, palestras, atividades coletivas, visitas a outros territórios inovadores.

Carlos Alves, do Porto Alegre Hostel Boutique.

Carlos Alves, do Porto Alegre Hostel Boutique, que participará de forma ativa nos projetos do Distrito C relacionados ao turismo.

Valentin Cruz, proprietário da  Tanguera Estudio de Danza.

Valentin Cruz, proprietário da Tanguera Estudio de Danza.

Ronaldo, proprietário do Tempero Rosa.

Ronaldo, proprietário do Tempero Rosa.

Anúncios

2 comentários sobre “Objetivos e Linhas de Ação

  1. apreciaria participar.
    Moro aqui na Cristóvão Colombo, 2081 apto. 403 desde 1978.
    3346-8220, 3222-2141 e 9999-7903
    Sou engenheiro mecânico, engenheiro de produção, engenheiro de segurança do trabalho, técnico em edificações, gestor ambiental, perito….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s